Conhecida hoje como um alimento funcional, a linhaça faz parte da alimentação de muitos brasileiros interessados em uma dieta saudável e equilibrada. A maneira mais prática (e adequada para o aproveitamento dos nutrientes) de consumir essa semente é em forma de farinha – que pode ser adicionada em sopas, saladas, frutas, preparações de pratos, iogurtes, vitaminas e sucos.

A farinha de linhaça pode ser feita batendo as sementes no liquidificador. Porém, no mercado já existem versões prontas. Uma atenção importante é não escolher aquelas que entreguem o produto em embalagens transparentes – já que a claridade oxida os ácidos graxos e diminui as propriedades do alimento.

A linhaça e suas propriedades

Os principais benefícios dessa semente são atribuídos ao seu óleo rico em ácido alfa-linolênico, lignanas e fibras alimentares. Além disso, a linhaça conta com vitaminas B1, B2, C e E, além de minerais como cálcio, zinco, magnésio, ferro, potássio e fósforo.

Esse alimento é capaz de manter a saciedade por mais tempo, diminuindo a fome e fornecendo mais energia ao organismo. Encontrada nas versões marrom ou dourada, a linhaça ainda é fonte de proteína vegetal, gorduras poli-insaturadas e ômega 3.

Por que incluir a farinha de linhaça no cardápio

Por conta do seu perfil anti-inflamatório, a farinha de linhaça contribui ao emagrecimento saudável. Ela ainda auxilia na diminuição dos sintomas da menopausa e previne o envelhecimento precoce das células, além de proteger o sistema imunológico.

Estudos indicam que essa semente é eficaz na redução dos níveis de colesterol total, reduzindo os fatores de risco para doenças crônicas, em especial as cardiovasculares. A linhaça ainda é útil na prevenção e tratamento da diabetes tipo II, doenças no fígado, hipertensão, artrite reumatoide e embolias, além de certos tipos de câncer.

Com tanta informação positiva, ficou ainda mais fácil incluir a farinha de linhaça no seu dia a dia. Qual é o seu acompanhamento preferido para ela? Não deixe de nos contar nos comentários!