Na ultima década, têm crescido muito o numero de praticantes do yoga, consequentemente, também muitos estudos científicos, os quais compravam seus benefícios para nossa saúde física e mental.

Um estudo europeu publicado em maio desse ano (2017) na revista Frontiers Psychology nos trouxe uma informação super interessante!

Os pesquisadores desse estudo dividiram seus voluntários em dois grupos: Um grupo, o qual realizou poses do yoga, e outro grupo que realizou poses imponentes baseadas em técnicas de linguagem corporal.

Eles observaram que o grupo do yoga apresentou maior disposição, sentimento de auto- controle emocional e maior autoestima comparado com o grupo que realizou as poses imponentes.

Através de muito estudo, os pesquisadores concluíram que a maior eficácia da prática do yoga pode ser explicada através das adaptações neurológicas do nervo vago que a prática proporciona.

O nervo vago liga o cérebro ao corpo, ele desempenha um papel fundamental na operação do sistema nervoso parassimpático, o qual regula os processos de alimentação, sono, estado de vigília e digestão;  também regula a frequência cardíaca e promove estados de relaxamento.
Portanto, o bom funcionamento do nervo vago promove regulação emocional, competência social e diminui sentimentos de raiva, hostilidade, depressão e ansiedade.
E vice e verso: sentir-se calmo, relaxado e sociável também estimula o bom funcionamento do nervo vago.

Assim, a prática do yoga, a qual inclui meditação, respiração e realização de posturas, é capaz de tonificar e regular o nervo vago, melhorando assim, o funcionamento do sistema parassimpático.
Essas descobertas sugerem que a prática frequente, mesmo sendo de curta duração, de poses do yoga é capaz de influenciar positivamente o funcionamento do nervo vago, fazendo-nos sentir mais satisfeitos e felizes.